Vida e Missão neste chão

Bem-vindos/as em Açailândia! Somos irmãos missionários, religiosos e leigos/a, caminhando com o povo maranhense. Ser padre aqui significa assumir os desafios e os sonhos das pessoas e da natureza que geme nas dores de um parto. Esse blog é uma tentativa de partilhar a caminhada e levantar perguntas: o que significa missão hoje? Onde mora Deus?
Vamos dialogar sobre isso. Forte abraço!
E-mail: padredario@gmail.com; Foto: Marcelo Cruz

venerdì 13 agosto 2010

Maria e as mulheres à frente da igreja


“Se somos todos um em Cristo e não há diferença entre homem e mulher, por que o poder da Ordem só pode ser conferido aos homens?”
“A condução de comunidades por mulheres é um dado bíblico”
No dia da Assunção de Nossa Senhora, vale a pena fazer ressoar mais uma vez as palavras de sábios homens da igreja que sentem a necessidade de levantar perguntas: dom Clemente Isnard, dom Carlo M. Martini, card. Lorscheider.
Maria, mãe de Jesus e símbolo de todas as mulheres de fé, “por um privilégio inteiramente singular (...) não foi sujeita à lei de permanecer na corrupção do sepulcro”.
Peçamos a ela que ajude nossa igreja a repensar o privilegio singular dos homens receberem o sacramento da ordem e representarem oficialmente a igreja (que até em seu nome é feminina!).

O evangelho que acompanha a festa da Assunção de Maria tem pouco a ver com o céu e nos mostra uma mulher com os pés bem fincados no chão da missão, da solidariedade aos idosos, do cuidado para com a maternidade e a vida dos pobres.

Quem quiser ser “do tamanho do céu” deve pisar firme no chão do povo!
Maria dirigiu-se apressadamente a visitar Isabel. dona Zuza, por amor a uma companheira doente moradora do barraco em frente à casa dela, foi doze vezes na Secretaria de Saúde reivindicando o direito à ambulância para hemodiálise!

As crianças pularam de alegria ao se encontrarem no ventre de Isabel e Maria. Dona Célia tem uma casa simples, de dois quartos e uma lojinha, com o marido, uma filha e um menino adotivo. Quando, por uma tragédia, a cunhada dela e o marido morreram juntos, não teve medo de receber também os quatro órfãos em casa e cuidar deles.

Maria, rainha das mulheres e mãe do Filho de Deus, foi e voltou escondida e sozinha a uma cidade da Judéia. Elisângela e Dirce, lideranças comunitárias, trabalham sem barulho em prol do povo, na catequese, na liturgia, na visita às mães da Pastoral da Criança, nas celebrações da Palavra.

Todas essas pegadas no chão dos pobres abrem o caminho para o céu, que simplesmente é a confirmação definitiva de Deus: amar vale a pena; quem quiser ficar próximo de Maria, mãe da fé, procure acompanhar essas outras mulheres nos passos do serviço aos pequenos e à comunidade.
E um dia, se os homens quiserem, elas também serão pastores do povo de Deus.

1 commento:

Railda M ha detto...

Olá Padre Dário, sou pastora Railda Marinho de Brito, pastora da Igreja Metodista em Assis, SP. Obrigada por suas palavras, em nome das mulheres discípulas de Jesus te agradeço. Oro pelo senhor, que o Eterno te abençoe muitíssimo, ... Em Cristo.