Vida e Missão neste chão

Bem-vindos/as em Açailândia! Somos irmãos missionários, religiosos e leigos/a, caminhando com o povo maranhense. Ser padre aqui significa assumir os desafios e os sonhos das pessoas e da natureza que geme nas dores de um parto. Esse blog é uma tentativa de partilhar a caminhada e levantar perguntas: o que significa missão hoje? Onde mora Deus?
Vamos dialogar sobre isso. Forte abraço!
E-mail: padredario@gmail.com; Foto: Marcelo Cruz

mercoledì 10 dicembre 2008

"Ser voz": João Batista e nosso advento


Perguntas diretas para João Batista, quase uma audiência pública, um processo: no primeiro capítulo de João, de repente nos encontramos no meio de um conflito aberto. O julgamento para o profeta já começou e sabemos como irá acabar (talvez isso nos tire um pouco a poesia do Natal).

Sempre, na história da igreja, ficamos preocupados pelo juízo de Deus; o evangelho revela, ao contrário, que é o juízo dos homens que faz a diferença, desse nos devemos preocupar.

Viemos pra incomodar’, não há cristão fora do conflito: no final nossa vida fará sentido se terá provocado as pessoas a assumir uma posição, se teremos amigos e também inimigos, e se –apesar disso- teremos aprendido a amar uns e outros.

Nesse processo aparece evidente a identidade de João Batista, seu perfil; assim também hoje não adianta sermos cristãos anônimos, o conflito nos obriga a definir claramente nossa personalidade.

“Sou voz”, diz João Batista: que identidade essencial e radical!

Nessas terras amazônicas onde ainda vigora impunidade, corrupção e cumplicidade... ser voz é entrar desarmado no conflito. No Xingu, por exemplo, dom Erwin Krautler relata: “Os crimes acontecem à luz do dia, à vista de todos, mas ninguém pode, absolutamente, revelar o que viu e ouviu para não ser incluído na lista dos que serão executados. Para salvar a própria pele, passa a vigorar a lei do silêncio”.

Ser voz é ter a coragem de falar, de fazer acontecer a justiça: denunciar, testemunhar (4 vezes essa palavra aparece no texto do evangelho!), tomar posição.

“Nessa terra o Estado é ausente. A Justiça é ausente – continua dom Erwin- Alguém, então, tem que levantar a voz. Alguém tem de falar. Os únicos que fazem isso são as pastorais”.

‘Pastoral’ vem de ‘pastor’, que também é voz para suas ovelhas. Elas conhecem sua voz, precisam da voz corajosa do pastor que aplaine caminhos, endireite os trilhos que violentos e gananciosos entortaram.
Vamos fazer nossas pastorais falar mais alto do que as regras herdadas de uma sociedade injusta e passiva! Juntos, ovelhas e pastores, vamos ser voz corajosa nos conflitos do dia-a-dia!

Ser voz não é somente usar a voz: é sentirmo-nos totalmente identificados naquilo que estamos dizendo, entregar com paixão a palavra e nossa inteira identidade a quem está nos escutando.

Mais uma coisa: a voz de João Batista não é uma entre as muitas; assumiu uma posição clara, fez a escolha do contexto, que fala muito mais forte de que o próprio texto. O profeta escolheu o deserto, o “outro lado do Jordão”. Também cabe a nós escolher as periferias, o ponto de vista dos excluídos, o outro lado da história, lugar de onde levantar a voz e quebrar o silêncio e a submissão.

Uma voz corajosa pode abrir rachaduras, dúvidas, perguntas e despertar de consciências no sistema estabelecido e nas pessoas convencidas que esse é o melhor dos mundos possíveis.

Por essas fendas um brotinho nascerá e o homem novo fará ingresso, mais uma vez, na velha história de sempre.