Vida e Missão neste chão

Bem-vindos/as em Açailândia! Somos irmãos missionários, religiosos e leigos/a, caminhando com o povo maranhense. Ser padre aqui significa assumir os desafios e os sonhos das pessoas e da natureza que geme nas dores de um parto. Esse blog é uma tentativa de partilhar a caminhada e levantar perguntas: o que significa missão hoje? Onde mora Deus?
Vamos dialogar sobre isso. Forte abraço!
E-mail: padredario@gmail.com; Foto: Marcelo Cruz

lunedì 1 maggio 2017

Impressões ribeirinhas

Em 2014 a vida se interrompeu por três meses, em Calama.
A enchente do Rio Madeira, no primeiro inverno em que as usinas hidrelétricas de Porto Velho estavam operando, cobriu a maioria das casas, acima das janelas.
As famílias amontoaram-se no Colégio, lá no alto da vila, no pátio da igreja ou no meio do rio, refugiadas nas precárias balsas dos garimpeiros.
 
Ainda hoje sentem-se as consequências desse desastre: a força das águas destruiu os plantios das comunidades ribeirinhas, e a safra de bananas e açaí ficou prejudicada por anos.
Um dos frutos da enchente, paradoxalmente, foi um certo crescimento da comunidade de Calama. Há mais gente chegando, nesses últimos três anos, só que estão vindo das comunidades menores, à beira do rio, que não conseguiram resistir.
 
Haverá futuro para essa vida ribeirinha? O que será das margens do baixo Madeira daqui a dez, vinte anos, considerando o contínuo crescimento da capital, Porto Velho, o avanço da soja e a expansão da pastagem, logo atrás de uma sutil área de mata ciliar ainda preservada? Há muitas ameaças à preservação da floresta ao longo do rio.
 
A comunidade ribeirinha sente que seu tesouro de vida está sendo saqueado, como um vaso de barro rachado, perdendo água gota a gota, irreversivelmente.
Há gente que não consegue ficar longe de Calama, pelas raízes familiares, os laços culturais, os vínculos com o ritmo e a fartura da natureza. 
Outros decidem morar aqui por opção profissional, como o professor e o médico cubanos que trouxeram um novo respiro à comunidade.
Está bem quem tiver um emprego público: professor, enfermeiro, vigia, gari... Em regiões tão isoladas, essa é uma das maneiras para garantir a sobrevivência das comunidades e, com isso, a defesa da Casa Comum sem necessidade de saqueá-la.
 
Sou a favor de uma bolsa-trabalho coletiva, para todas as famílias que aceitem permanecer nesses territórios, com compromisso de organizar e assessorar um sistema interno de autogestão, que cuide de saúde, educação, assistência social, ordem e segurança, preservação do meio ambiente.
Na situação atual, é fácil para quem mora aqui e não tem recursos optar pelo garimpo no rio, despejando mercúrio na boca dos peixes que no dia seguinte estarão na mesa dele e de sua comunidade.
 
E qual o papel da Igreja, se for consciente e comprometida? 
Senti nesses dias a força da tradição religiosa, vivenciada no dia a dia da oração e das celebrações comunitárias: estreita relações, amarra as pessoas às suas terras (e rios), promove comunidade e autogestão, resiste à dispersão do espírito individualista. 
Também essa igreja de rua, que visita as casas, caminha em procissão, encomenda aos santos a colheita, a pesca e a proteção das enchentes, pode ajudar os ribeirinhos a preservar um pedaço de vida na Amazônia que não queremos perder!

Articulando as comunidades com dioceses, movimentos e instituições através da Rede Eclesial Panamazônica (REPAM), a Igreja é um ator importante no cuidado da Casa Comum a partir do estilo de vida das populações tradicionais que a habitam.

Nessun commento: